'O espelho reflecte certo; não erra porque não pensa.
Pensar é essencialmente errar.
Errar é essencialmente estar cego e surdo'
Alberto Caeiro

Sentidos

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Não te amo

Não te amo, quero-te: o amor vem d'alma.
E eu n'alma - tenho a calma,
A calma - do jazigo.
Ai! não te amo, não.

Não te amo, quero-te: o amor é vida.
E a vida - nem sentida
A trago eu já comigo.
Ai! não te amo, não!

Ai! não te amo, não; e só te quero
De um querer bruto e fero
Que o sangue me devora,
Não chega ao coração.

Não te amo. És bela; e eu não te amo, ó bela.
Quem ama a aziaga estrela
Que lhe luz na má hora
Da sua perdição?

E quero-te, e não te amo, que é forçado,
De mau, feitiço azado
Este indigno furor.
Mas oh! não te amo, não.

E infame sou, porque te quero; e tanto
Que de mim tenho espanto,
De ti medo e terror...
Mas amar!... não te amo, não.

Almeida Garrett

5 comentários:

Lídia Amorim disse...

É engraçado, ao mesmo tempo poetico e introspectivo :) Fica por ali no meio de vários...

bjokas!

Miss Kin disse...

Na "mouche"!

É mais ou menos isso nos dias que correm. ;)

Pedrão disse...

Cômico

BC disse...

Um interessante poema do Almeida Garrett, sem dúvida.
Aproveito para agradecer as tuas visitas, eu agora tenho tido pouco tempo e não tenho comentado todos os dias, mas apareço.
Beijocas

EDUARDO POISL disse...

"... E de novo acredito que nada do que é
importante se perde verdadeiramente
Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas,
dos instantes e dos outros.
Comigo caminham todos os mortos que amei,
todos os amigos que se afastaram,
todos os dias felizes que se apagaram.
Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre."

Miguel Sousa Tavares

Desejo uma linda semana.
Abraços com carinho.

Copyright © - EspelhoSentido - is proudly powered by Blogger