'O espelho reflecte certo; não erra porque não pensa.
Pensar é essencialmente errar.
Errar é essencialmente estar cego e surdo'
Alberto Caeiro

Sentidos

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Capitulo III

Mas o esquecimento era um caminho no qual não podia permanecer mais.
As nuvens de chumbo, o ar frio, as luzes fugidias das casas longínquas eram o seu novo mundo, a marca da lembrança, a certeza do Presente que não desejou.
Por isso, permaneceu junto à janela e desfiou todos os Natais, todas as Primaveras, todas as vezes em que viu o Sol dar lugar à chuva pensando não mais voltar a sentir o calor da luz na face.
Lembrou as bonecas e a bicicleta, relembrou a mão enrugada da avó, os doces fumegantes na mesa...com um sorriso de criança. Depois? voltou à mente aquele, aquele Natal repleto de beijos-promessa, de sonhos e esperanças, como se não houvesse amanhã simplesmente porque sentia que o mundo era eterno. E então as lágrimas voltaram.
Mas isso foram Natais passados... este Natal. Este, tinha a emoção de uma montanha-russa com todos os seus altos e baixos, mas também a angústia de não saber quando a "viagem" iria acabar.

1 comentário:

Otário disse...

Belo texto! A esperança de um dia melhor é algo que deve ser considerado. Tanto mais por se desconhecer o futuro.

Copyright © - EspelhoSentido - is proudly powered by Blogger